duas rosas?




uma rosa... ou são duas rosas?
oh! que meninas charmosas!
fazem versos, bailam belas
e sem causar mil querelas!

Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz.
Cabo Frio, 25 de maio de 2009.

Morfeu ladino



meu corpo em veneração
teu corpo no meu sentir -
sonho de amor e ereção
que não me deixa dormir.



Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz.
Cabo Frio, 24 de maio de 2009 - 1h01.

Aos poetas... todos os poetas!




ah! que bonito, que ardor!
é tão bom ver-te a escrever
nesses teus versos de amor,
coisas lindas de se ler!

Cabo Frio, 6 de maio de 2009 - 17h03

fantasia



como é gostoso encantar
na cadência da poesia,
a gente se põe a cantar
seja noite ou seja dia!


Sílvia Mota a Poeta e Escritora do amor e da Paz.
Cabo Frio, 5 de maio de 2009 – 17h04.

teus olhos... ah! indefesos!




teus olhos... ah! indefesos!
são fonte de sedução,
são dois carvões muito acesos
queimando-me em atração.


Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz
Cabo Frio, 5 de maio de 2009 – 12h33

inútil mentir

enquanto houver um só verso,
a falar de indiferença,
podes crer - é incontroverso,
não te esqueci - é a sentença.


Trova.
Sílvia Mota.
Cabo Frio, 3 de maio de 2009 – 10:02hs.

ABRIL/2009

amor clandestino

Sandrinho, eis que o destino
te põe por cima de mim,
me põe por baixo de ti...
Isto é amor clandestino!!!

*******************

Simples brincadeira postada na Comunidade do orkut: "CINQUENTA E UNNSSS & FAMÍLIA", em 29 de abril de 2009, às 11h34.

FEVEREIRO/2009

viagem - Rio/São Paulo

c’oas nuvens no meu regaço,
estou pertinho do céu...
mas, nem de longe, este céu,
me traz a paz do teu braço...


Trova.
Sílvia Mota.
Rio/São Paulo, 8 de fevereiro de 2009 - 11:35hs.

NOVEMBRO/2008

jamais me perderás

se acaso tu me perderes
por esta vida em relevo,
procura e me encontrarás
nos mil versos que te escrevo...


Trova.
Sílvia Mota.
Cabo Frio, 27 de novembro de 2008 – 12:28hs.

para sempre no teu olhar

aceito teu nada por inteiro

se não me podes dar tu'alma,
teu corpo quero - guerreiro;
se ao provocar minha calma,
que seja meu - por inteiro!


Trova.
Sílvia Mota.
Escrito em: Cabo Frio, 2 de novembro de 2008 – 13:05hs.

OUTUBRO/2008

quero-te a ti



disseste-me entre beijos:
-“Qualquer homem podes ter”...
não me ouviste em meu silêncio:
-“Eu só quero tua ser.”


Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz.
Cabo Frio, 22 de outubro de 2008 – à tarde.

incidência e divergência

a paz da minha poesia
ao te encantar te fez meu,
mas o fragor do meu dia
no teu medo se perdeu

Trova.
Sílvia Mota.
Cabo Frio, 17 de outubro de 2008 - 23:03hs.

nutrimentum spiritus

o zéfiro nutre o fogo
que fenece à ventania:
tua presença, vida em rogo;
tua ausência, morte em poesia


Trova.
Sílvia Mota.
Cabo Frio, 16 de outubro de 2008 – 18:35hs.

MAIO/2008

nulidade




alheio ao beijo carnudo,
qual o teor e o arrebol
deste meu corpo desnudo,
dourado e ardente de sol?


Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz
Cabo Frio, 6 de maio de 2008 - 18h20.