nulidade




alheio ao beijo carnudo,
qual o teor e o arrebol
deste meu corpo desnudo,
dourado e ardente de sol?


Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz
Cabo Frio, 6 de maio de 2008 - 18h20.

Nenhum comentário:

Postar um comentário